Pular para o conteúdo principal

CONSUMO E INFÂNCIA: Reflexão e Dicas AMOROSAS, ECONÔMICAS e ECOLÓGICAS


CONSUMO E INFÂNCIA.

As gerações mais jovens estão cada vez mais preocupadas com questões ambientais. Tenho certeza que no futuro seu filho vai ficar feliz de saber que você priorizou questões de sustentabilidade quando o assunto era consumir algo pra ele.

Por isso vamos refletir sobre a quantidade e qualidade dos brinquedos das nossas crianças, e o consumo consciente na infância? 

Eu já tratei desse tema no perfil @e.cociente do Instagram, mas com o Dia das Crianças se aproximando achei oportuno tratar do assunto aqui no blog!!

Estas são algumas reflexões que pensei quando fui fazer uma arrumação em casa recentemente (até pra conseguir espaço num apartamento de 2 quartos que acomoda uma família com 1 casal, 1 filho de 2 anos e um E-COmmerce... rsrsrs) e identifiquei 18 brinquedos sobrando, DEZOITOOO!!! A grande maioria meu filho ganhou no aniversário de 1 ano, outros vieram ao longo do tempo com vovó, titios, amigos etc. Muitos ele nunca chegou a usar ou pq eram repetidos, ou pq realmente não deu tempo de brincar, pois eu vou entregando a ele aos poucos. (Não tem sentido entregar todos os brinquedos juntos, já que nenhuma criança consegue lidar com todos de uma vez só.) Claro, que sou muito grata a cada pessoa que presenteou meu filhote e quis vê-lo feliz, mas o saldo passado 1 ano e meio da festa foi esse aí.
Imagine você… 18 brinquedos sobrando (esses aí da foto acima), que separei para doar/vender em desapegos infantis, mesmo ele ainda tendo váriossss outros que ele ama e usa bastante. Isso pq no aniversário de 2 anos, eu sabia que já estava com brinquedos demais, e disse para os amigos que o presente deles seria apenas a presença, pois Biel definitivamente não precisava de nada. Além disso, eu sabia que ele aos 2 dois não associava festa de aniversário ao fato de receber presentes, então ele nem ao menos ficaria frustrado. (Eu tenho um destaque dos Stories do Insta falando sobre como adaptei a festinha dele pra tentar gerar menos lixo, mas isso é papo pra outro post que em breve pretendo postar aqui no blog também.) Nos próximos anos ainda não sei, veremos como será, mas pretendo ir conversando as coisas com ele com jeitinho... pra alinhar as expectativas dele... e quem sabe consigo fazer ele "participar" aos poucos desse pensamento!?

Eu acredito que este número de brinquedos assim exagerado seja um fato COMUM em MUITOS LARES, mesmo onde as famílias não sejam abastadas. Nós aqui não somos consumistas e mesmo assim estávamos abarrotados. Agora pense comigo... Imagine como todos esses brinquedos podem ser exagero de estímulo para as crianças, e isso pode não ser saudável. Pense também como isso é um desperdício de dinheiro, e não é nada sustentável para o meio ambiente que estamos deixando para o futuro deles. Hoje em dia se fala muito sobre não dar eletrônicos para as crianças devido aos riscos à saúde, mas nos esquecemos que esse volume de brinquedos também pode fazer mal pra saúde metal e física deles. E além disso, as vezes rapidamente, todos esses brinquedos vão virar lixo, e esse lixo vai importunar até os netos e bisnetos dos nossos filhos… Isso não deveria ser normal, né?


E o que a gente pode fazer então quanto a isso?
Bastante coisa!!!!

Se liga nessas 14 DICAS AMOROSAS, ECONÔMICAS, ECOLÓGICAS que listei para você refletir e quem sabe adotar algumas ao presentear seus filhos, sobrinhos ou amiguinhos (essas dicas servem também para Natal, aniversário ou qualquer outra ocasião ao presentear as crianças): 

1. Pense bem antes de comprar algo para seu filho, tente filtrar a quantidade de brinquedos, não seja Você também um fator para esse hiper estímulo da vida moderna.

2 . Seu filho acabará ganhando muitas coisas de Vovós, Titios e Amigos, então tente envolver sua família nesta reflexão (é difícil eu sei, aqui tb é… toda hora tem um agradinho novo chegando… rsrsrs).

3. A publicidade infantil pode influenciar muito os desejos das crianças, então quando for necessário optar pelas telas, programa de Streaming (como Netflix) pode ser uma opção melhor que o Youtube e a TV aberta, pois restringe o acesso aos comerciais, e por isso também é uma forma blindá-las do excesso de estímulos das propagandas.

4. Adote e encoraje a todos a vender e comprar em desapegos infantis. Está cheio de sites, aplicativos e grupos de whastapp e facebook para itens infantis usados em geral. As crianças usam as coisas por pouco tempo, então você pode encontrar muita coisa em perfeito estado, e economizar muito dinheiro. Pense também que os brinquedos e outros itens que já foram produzidos devem ter seu uso maximizado para justificar o recurso da natureza gasto com eles.

5. Estimule a troca entre pessoas conhecidas. Reuse e circule entre os filhos, primos, amiguinhos, vizinhos, etc… rsrsrs…

6. Prefira os AMIGURUMES (bonecos de crochê) aos bichinhos de pelúcia (muitas vezes importados), eles podem ser feitos com linha antialérgica, com todo capricho. As crianças adoram e eles podem também fazer parte da decoração. Você ainda ajuda a economia prestigiando o trabalho de alguma artesã! Os do meu filho estão na foto já tem quase 3 anos e estão perfeitos!!!
7. Acredite, até utensílios simples de cozinha, como forminhas, escorredores, coisas que você já tem em casa servem de distração para eles quando ainda são bebês. Isso aprendi nas aulas da Dança Materna, com a professora de Dança Farid Rocha (@farid_gestacao_puerperio), e tenho toda uma rede materna que pode confirmar essa informação… rsrsrs… Aqui abaixo é minha sobrinha Isabela brincando com esses utensílios na aula de Dança Materna.
8. Livros são uma ÓTIMA opção para TODAS AS IDADES, e estes também podem ser trocados ou comprados usados!!! 
9. Priorize brinquedos de madeira (certificada), eles são lúdicos, educativos e biodegradáveis. Existem muitos de produções artesanais, e você estimula a economia local comprando de quem faz, ou comprando dos pequenos. Às vezes eles podem ser pouco mais caros, mas é melhor ter 1 de madeira do que 5 de plástico repetidos com a mesma função (e que as vezes foram importados sem sabermos com certeza se não foram fruto de trabalho escravo, ou se seguem normas de segurança desde a tinta utilizada, até se podem causar cortes ou ter peças pequenas soltas que podem ser engolidas pelos pequeninos).
10. As crianças não precisam do último lançamento da indústria, mas vão se divertir por horas se puderem usar alguns pedaços de papelão e dois ou três rolos de papel para fazerem seu próprio brinquedo, ou brincar de casinha com lençol cobrindo as cadeiras da sala... rsrsrs É da natureza humana querer entender as coisas e conhecer. Assim os melhores brinquedos são aqueles que as crianças podem construir e desconstruir, "entender" o processo e que acima de tudo possam brincar junto com os amiguinhos e com os pais. Maria Montessori, psiquiatra e educadora, citou que nos países onde a indústria do brinquedo é menos avançada, você encontra crianças com gostos diferentes. Elas também são mais calmas, mas conscientes e felizes. Sua única vontade é participar das atividades que ocorrem à sua volta. São mais parecidas com gente comum, usando e manipulando as mesmas coisas que os adultos.

11. Observe a foto abaixo e veja a proporção do que é lixo e do que é brinquedo neste exemplo. Crianças amam presentes e brinquedos, mas você pode trabalhar a expectativa do seu filho sobre presentes que ele deseja e quem sabe se você mostrar uma foto dessas pra ele, ele mesmo pode achar bom não ser responsável pelo excesso de lixo gerado pra isso. 
12. Se seu filho já estiver com quarto abarrotado, pode ser legal oferecer um passeio a um local bacana pra substituir o brinquedo. Dê a sua PRESENÇA DE PRESENTE!!! Em tempos de correriam estar atento 100% ao seu filho ou sobrinho será uma coisa bem especial. Saia pra jogar boliche, soltar pipa, andar de bicicleta, ir ao teatro, cinema ou a um parque de diversões.

13.Vai doar os brinquedos? Tenha certeza que será utilizado, pois você pode não ver, mas a doação pode virar diretamente lixo em um lixão ou aterro.

14. Está quebrado? Sem como reparar? Procure o destino devido para os brinquedos. Entregue as pilhas usadas em local apropriado, entregue os itens de plásticos, metal e vidro para reciclagem.

Tenho certeza que essas dicas podem fazer bem para seu bolso, para o meio ambiente, mas principalmente para sua relação com seu filho e a pessoa que ele será quando for adulto!!!

Você se identificou? Já havia refletido sobre isso? Me conte como foi ou como é com seus filhos! Você já faz alguma dessas práticas?  Você também pode dar sugestões para os próximos posts!

Comentários

Postar um comentário

Deixe aqui sua opinião, sugestão ou comentário!

Postagens mais visitadas deste blog

Sobre o Blog Comunidade E-COciente

Bem-vindo ao Blog Comunidade e-coCiente, meu nome é Bianca, eu sou idealizadora do Blog e fundadora da loja e-coCiente. Sou a mãe do Gabriel de 2 anos e  8 meses, e isso tem tudo a ver com as coisas que quero tratar neste espaço. Pois foi com a vinda dele que me tornei uma pessoa em busca de formas de consumo mais sustentáveis. Na contra mão da sustentabilidade, nós, consumidores, somos incentivados o tempo todo pela indústria ao imediatismo, à cultura do descartável, a demanda do que é mais “prático”. É aí que entra o papel da informação. Eu acredito que informação empodera, e dividir conhecimentos adquiridos é um caminho para a transformação. Por isso e para isso que este blog nasceu. Aqui podemos dividir conhecimento, gerar questionamento e transformação, expor dificuldades e discutir soluções. Afinal, ao invés de “surfar essa onda” de consumo, podemos tomar um posicionamento diferente perante o papel que nos cabe: o de demandar. Consumindo menos, e/ou demandando por melhore

Por que eu criei um E-COmmerce (ou Ecoloja)?

Um pouco sobre o E-COmmerce e o porquê de criá-lo... A e-coCiente é uma loja online de consumo consciente uma Ecoloja virtual.  Ela nasceu em 2018 devido a um incômodo antigo que eu tenho com a quantidade de lixo que a gente gera todo dia. Há muito tempo seleciono lixo doméstico para reciclagem. E quando engravidei em 2016 refleti muito sobre as fraldas que meu bebê usaria. Cheguei a cogitar usar fraldas de pano, porém eu não tinha conhecidos que tivessem compartilhado a experiência, muito menos acesso a fornecedores locais do produto. E optei por não comprar um enxoval inteiro de fraldas pela internet, e fazer um investimento alto sem conhecer os materiais e sem entender bem como funcionava. Achei complicado de administrar naquele momento as inúmeras mudanças, então adiei a ideia . Mas além das fraldas, um dos cliques sobre a quantidade de lixo que geramos com a vinda de um bebê veio antes mesmo do meu filho nascer. Eu viajei de férias e aproveitei a viagem pra f